sexta-feira, 3 de agosto de 2007

Esquecer quem nunca me lembrou...


Porque não me canso de ti?! O teu sorriso atravessado pelos teus olhos semi bebidos pela cerveja que acompanha a tua mão esquerda… Braço direito por cima dos meus ombros…

Forte. Doce. Protege. Mas foi só ali… Não me bastas.
Esqueço-te em pequenos espaços brancos, mas logo te devoro quando me embalas na nossa antiga magia… Um passado bem perto que não me larga…
Quero-me desprender de ti… Quero que não me cegues mais com os teus olhares traiçoeiros…
Não sou tua amiga. Não posso ser. Não quero ser. Aliás, não consigo ser.
Não me digas que sou, quando sabes que não.
Estou cansada… A noite já não me arma, já não nos une, não nos quer…
Estou cansada de não me cansar de ti…
Apaixonei-me por ti. Mas gosto-me muito mais… Sei que mereço.
Irei.


Apetece-me dizer isto. Porque me apetece... Ainda que as palavras não sejam certas, ainda que o texto não seja uma criação de frases e parágrafos embelezados pelas cores das letras...

São palavras, apenas...